O que é a energia cinética?

A energia cinética (Ec) é a energia presente num corpo devido ao seu movimento. Ou seja, é a capacidade que permite que um objeto deixe de estar em repouso para se movimentar a uma determinada velocidade.

Quando um objeto está em repouso, tem um coeficiente de energia cinética igual a zero. Só quando o objeto começa a mover-se é que acelera e aumenta a sua energia cinética, e só pode parar de se mover e regressar ao seu estado inicial de repouso se receber a mesma quantidade de energia (agora negativa ou oposta) que o pôs em movimento.

Como é calculada a energia cinética?

A energia cinética (Ec) é obtida em função da velocidade e da massa do corpo. Para proceder ao seu cálculo, é sempre necessário medir a energia cinética em Joules (J), a massa em quilogramas (kg) e a velocidade em metros por segundo (m/s).

A energia cinética pode ser calculada de diferentes maneiras, segundo as características principais do objeto em particular. Dependendo da sua velocidade e da sua massa, terá de usar as regras da mecânica clássica, da mecânica quântica ou da mecânica relativista.

Sabendo isto, a fórmula padrão para calcular a energia cinética é a seguinte: Ec= ½ mv²

Exemplos de energia cinética

Pode ser muito mais fácil compreender como a energia cinética é produzida e gerada se partilharmos alguns exemplos:

Atirar uma bola para o ar

Para atirar uma bola para o ar, deve ser aplicada uma força à bola quando esta estiver em repouso. Quando se dá esta força, a bola acelera o suficiente para ganhar energia cinética, percorrendo a distância entre nós e um companheiro de jogo.

Um vaso de porcelana que cai no chão

Quando um vaso cai, à medida que a gravidade atua sobre ele, a energia cinética acumula-se enquanto o vaso desce e é libertada quando o vaso se despedaça no chão. O trabalho inicial produzido pela queda rompe o estado de equilíbrio do objeto e acelera-o juntamente com o impacto da gravidade sobre o vaso.

O carrinho de montanha-russa

Segundos antes de descer, o carrinho tem energia potencial e nenhuma energia cinética; mas ao descer, a sua energia potencial é transformada em energia cinética, atingindo o seu ponto máximo quando a queda termina e começa de novo a subida.