Condomínios solares: o que são e como funcionam?

Sabe o que é um condomínio solar? São realmente rentáveis? Hoje na Eligenio, dizemos-lhe tudo o que precisa de saber sobre os condomínios solares
Home > Blog > Condomínios solares: o que são e como funcionam?

O setor das energias renováveis é um dos que mais cresceram nos últimos anos, e por uma boa razão. Portugal é um dos países envolvidos no maior acordo de compra de energia solar do mundo. O país goza de um sol extraordinário e é o primeiro país da Europa a investir em centrais solares não subsidiadas, de acordo com o governo.

Contudo, um dos maiores problemas no setor das energias renováveis é que nem todos podem tirar proveito dos seus benefícios. Devido ao grande investimento necessário para montar uma instalação de painéis solares, esta fonte de energia encontra-se normalmente disponível apenas para grandes empresas e entidades públicas.

Afortunadamente, isto está a mudar graças aos condomínios solares. Estes constituem uma das melhores formas de aproveitar a energia solar numa base comunitária, e podem permitir que grupos de pessoas independentes criem a sua própria infraestrutura energética sem dependerem de ajuda externa.

Neste artigo vamos falar do que são os condomínios solares, como funcionam e as suas principais vantagens.

O que são os condomínios solares?

Um condomínio solar é um parque de painéis fotovoltaicos que é construído e gerido numa base comunitária. Isto significa que em vez de ser controlado por uma única empresa ou entidade, é gerido por um grupo de pessoas que investiram no projeto em conjunto. Estas pessoas não têm necessariamente que fazer parte da mesma associação ou comunidade, com a flexibilidade que isso implica.

Os condomínios solares podem ser de qualquer dimensão, desde pequenas instalações domésticas a grandes quintas com milhares de painéis. No entanto, é mais comum que sejam de tamanho médio, pois isto torna-os mais fáceis de gerir e manter.

Ao contrário dos parques solares tradicionais, que requerem grandes investimentos e são controlados por um único proprietário, os condomínios solares podem ser construídos de forma mais económica por um grupo maior de indivíduos.

Isto torna os condomínios solares numa excelente opção para as pessoas que querem aproveitar a energia solar para satisfazer as suas próprias necessidades de consumo, mas não dispõem dos meios para o fazer por si próprias.

Vantagens e desvantagens dos condomínios solares

Há várias razões pelas quais os condomínios solares estão a tornar-se numa opção cada vez mais popular para as pessoas que querem aproveitar a energia solar para as suas necessidades de consumo.

  • Em primeiro lugar, esta forma de aproveitar a energia solar é muito mais barata do que o fazer de forma individual. Ao não ter de ser apenas uma pessoa a suportar todos os custos de instalação e manutenção dos painéis, os condomínios solares podem tornar-se rentáveis muito rapidamente.
  • Por outro lado, os condomínios solares são, também, uma forma muito eficiente de produzir energia solar. Como são geridos por um grupo de pessoas, podem ser otimizados para obter o maior rendimento possível para cada membro do grupo.
  • De facto, é comum que os condomínios solares produzam excedentes de energia que mais tarde podem ser vendidos a empresas maiores, para que os proprietários possam acabar por obter um pequeno rendimento económico do seu investimento para além da simples poupança resultante do seu uso.
  • Finalmente, outra grande vantagem dos condomínios solares é que são um projeto 100% sustentável. É uma forma de gerar eletricidade com um impacto ambiental muito menor do que as alternativas mais tradicionais, com todas as vantagens que isso implica.

A escolha certa, a escolha inteligente

Quer poupar nas suas contas de electricidade e gás? Escolher bem agora tem um nome: Eligenio

Como funcionam os condomínios solares?

Os condomínios solares funcionam da mesma forma que qualquer outro parque solar: os painéis fotovoltaicos transformam a energia solar em eletricidade, que é depois armazenada em baterias para ser utilizada quando necessário.

Como mencionado acima, no caso dos condomínios solares, estas baterias costumam estar ligadas à rede elétrica, o que permite que qualquer excedente de energia seja vendido à empresa prestadora do serviço. Desta forma, os condomínios solares não são apenas uma forma de poupar dinheiro nas contas de eletricidade, mas também podem gerar rendimentos adicionais.

Em termos do tipo de painéis que podem ser utilizados, existem várias alternativas; a melhor opção dependerá da situação de cada grupo de pessoas e de fatores como a capacidade de investimento inicial, a localização e a quantidade de energia solar que pode ser produzida numa determinada área.

Quais são os requisitos para a criação de um condomínio solar?

Não é necessário ser um especialista em energia fotovoltaica para montar um condomínio solar, mas é preciso ter algum conhecimento sobre o assunto. Em primeiro lugar, é importante ter em conta que os condomínios solares geralmente requerem um investimento inicial mais elevado do que a simples instalação de um painel solar individual no telhado de uma casa.

Neste sentido, o primeiro requisito essencial para a instalação de um condomínio solar é ter um grupo de pessoas dispostas a fazer o investimento necessário para dar início a um projeto deste tipo.

Além disso, antes de começar a instalação será necessário realizar um estudo prévio sobre a viabilidade do projeto, no qual serão examinados fatores como a classificação do terreno, será solicitada a criação de um ponto de ligação à rede, e serão processadas todas as licenças necessárias.

Neste sentido, é importante ter em mente que a criação de um condomínio solar requer uma série de autorizações das administrações públicas. Porém, isto também pode ser uma vantagem: em muitos casos, estes condomínios solares são considerados projetos comunitários e recebem subsídios e subvenções para a sua implementação.

Quão rentáveis são os condomínios solares?

Como mencionado acima, os condomínios solares podem ser um grande investimento a longo prazo e podem mesmo gerar um rendimento extra para os seus gestores. No entanto, podem também tornar-se num projeto altamente rentável a curto prazo.

Os condomínios solares exigem um investimento inicial mais elevado do que a instalação de painéis fotovoltaicos numa única casa. Contudo, este investimento compensa-se rapidamente graças a economias de escala: muito rapidamente os proprietários destes condomínios solares podem poupar muito dinheiro na sua conta de eletricidade, e mais tarde podem mesmo vender o excesso de eletricidade quando estiverem ligados à rede.

É claro que a viabilidade de um projeto deste tipo dependerá de muitos fatores. Mas, por exemplo, no caso de uma instalação de 1035 kW, poderíamos estar perante um investimento de cerca de 600.000 euros.

Este montante pode parecer elevado, mas na realidade pagar-se-á por si próprio em menos de uma década. Se tivermos em conta a vida média de um painel solar (que é de aproximadamente 25 anos), veremos rapidamente que este é um projeto que pode ser muito rentável para as pessoas envolvidas.

Em suma, os condomínios solares são uma excelente forma de aproveitar a energia solar de forma eficiente, económica e sustentável. Se estiver interessado em investir neste tipo de projetos, não hesite em nos contactar para mais informações – teremos todo o prazer em o ajudar!