Inversores solares: tipos, para que são utilizados e como os escolher

Um inversor solar é um elemento chave em qualquer instalação fotovoltaica
Home > Blog > Inversores solares: tipos, para que são utilizados e como os escolher

Um inversor solar é um elemento chave em qualquer instalação fotovoltaica, graças ao qual a energia gerada pelos painéis solares pode ser utilizada.

O que é um inversor solar?

Os inversores solares são dispositivos indispensáveis em sistemas fotovoltaicos. A sua função é pegar na energia gerada pelos painéis solares sob a forma de corrente contínua e convertê-la em corrente alternada. Desta forma, é possível alimentar o equipamento elétrico e de iluminação presente em qualquer casa ou empresa.

Sem um inversor solar seria impossível aproveitar a energia produzida pelos painéis a partir da radiação. Isto porque a maioria da eletricidade que utilizamos diariamente é na realidade um fluxo de ondas de corrente alternada. Com algumas exceções, tais como computadores, os aparelhos não podem funcionar com corrente contínua.

Características dos inversores solares

Entre as características mais importantes dos inversores solares, encontram-se as seguintes:

  • Eles convertem energia em corrente alternada, a sua função principal.
  • Melhoram a eficiência da produção de energia dos painéis solares.
  • Protegem a integridade do sistema, uma vez que param a geração de corrente em caso de sobrecargas ou anomalias.
  • Atuam como indicadores do desempenho do sistema, ajudando a evitar falhas.
  • Estão disponíveis numa variedade de opções.

Ilumine as suas contas!

Não sabe quanto paga pelo seu consumo de energia? Eligenio ajuda-o a comparar as diferentes tarifas para poder escolher

Tipos de inversores solares

Os inversores solares não são todos iguais; existem diferentes opções que se adaptam às necessidades específicas de cada instalação fotovoltaica. Embora várias classificações sejam possíveis, em princípio, deve ser feita uma distinção entre as que operam em sistemas autónomos ou com baterias e as que operam em instalações ligadas à rede de distribuição.

Inversores conectados à rede

Estamos a falar dos inversores que fazem parte de um conjunto de painéis solares cuja produção está ligada à rede elétrica. Isto significa que a casa ou empresa pode utilizar duas fontes de eletricidade de segundo as suas necessidades de consumo. Assim, no caso dos painéis solares serem insuficientes, são complementados com energia da rede, e se houver excedentes de energia, são integrados na rede para obter poupanças na fatura da eletricidade.

Dentro desta categoria de inversores solares estão:

  • Strings: são os mais comuns e são também conhecidos como inversores de cadeia ou inversores centralizados. Caracterizam-se pelo facto de estarem ligados aos painéis de forma linear, e a potência final que oferecem é igual à potência mínima existente entre todos os painéis. Por esta razão, não são adequados quando a incidência solar não é homogénea.
  • Micro inversores: têm pequenas dimensões e estão ligados aos painéis individualmente. Isto significa que não haverá limitações em relação aos rendimentos heterogéneos e é possível extrair a potência máxima de cada painel.
  • Otimizadores de potência: esta é uma combinação dos modelos anteriores. Aqui a energia é obtida segundo a capacidade de cada painel, mas todos eles são recolhidos e injetados no local.

Inversores solares com baterias

Estão presentes em sistemas com baterias ou acumuladores de energia.  Tais sistemas são comuns em áreas remotas ou autocaravanas onde não existem outras opções, mas também é possível encontrá-los em espaços ligados à rede elétrica com a intenção de ter a máxima autonomia energética.

Nesta categoria temos

  • Isolados: tomam a corrente presente nas baterias e adaptam-na à voltagem necessária para fornecer energia ao local.
  • Carregadores- inversores: têm as mesmas características que os anteriores, mas também incluem uma tomada ligada à rede que permite a recarga das baterias quando a sua voltagem é muito baixa. Isto não só garante o fornecimento, como também prolonga a vida útil do acumulador, cuja operação se deteriora quando manuseia tensões inferiores às recomendadas.
  • Híbridos: permitem que a energia seja retirada tanto das baterias como da rede, de modo que o fornecimento seja sempre garantido. Se ambas as fontes estiverem disponíveis, dá prioridade à utilização da corrente armazenada nos acumuladores. São normalmente utilizados nos locais cobertos por compensação, de modo que os excedentes da geração fotovoltaica sejam alimentados na rede.

Como escolher um inversor fotovoltaico

Se quiser escolher o inversor fotovoltaico certo para a sua instalação elétrica, há várias coisas a considerar:

  • Tipo de instalação: como já se viu anteriormente, a existência de uma ligação à rede elétrica é um fator determinante na escolha de um inversor adequado.
  • Disposição dos painéis: as suas necessidades não serão as mesmas se os seus painéis receberem radiação de forma uniforme como se houvesse sombras e interferências. No primeiro caso, os micro inversores são uma despesa desnecessária, enquanto no segundo caso, um inversor do tipo string poderia desperdiçar energia.
  • Planos de expansão: Nem todos os inversores podem ser ligados a outros inversores se adicionar mais painéis à sua instalação. Portanto, se planeia expandir a sua capacidade de geração, é importante escolher uma escalável.
  • Marca: certifique-se de escolher uma empresa que tenha um historial no mercado elétrico e cujos produtos tenham críticas positivas. É também uma boa ideia verificar a garantia e as condições de apoio técnico.
  • Custo: tenha em mente que os preços para inversores domésticos variam entre 150 euros para micro-inversores e 900 euros para modelos híbridos, pelo que o seu orçamento será fundamental.

Como já se viu, um inversor solar é um componente essencial para o correto funcionamento das instalações fotovoltaicas, e sem ele não seria possível utilizar a eletricidade produzida. Contudo, para além de ter um, é importante que seja o modelo certo conforme as características particulares da sua casa ou empresa. Só então poderá tirar o máximo partido dos seus painéis e garantir o seu correto desempenho.