Instalação de autoconsumo

Neste artigo vamos falar sobre a instalação de autoconsumo. Vamos explicar o que é, que tipos de instalações existem e os cálculos estimativos das instalações de autoconsumo. Comece a ler e poupe graças ao autoabastecimento de energia solar.
>
>

Nos últimos anos, tornou-se evidente que existe um grande interesse pela energia solar fotovoltaica em muitas partes do mundo, graças aos seus enormes benefícios. Uma das questões frequentemente discutidas é o chamado “autoconsumo” e as “instalações de autoconsumo”. Mas o que é exatamente? Vamos descobrir!

 

O que é uma instalação de autoconsumo?

No autoconsumo, a energia produzida pela instalação solar é utilizada para consumo direto do proprietário da instalação. Podemos definir o autoconsumo como um tipo de instalação solar fotovoltaica em que o proprietário de um sistema de energia pode gerar a sua própria energia elétrica utilizando painéis solares. Esta energia pode então ser consumida ou introduzida na rede, gerando um benefício económico.

A venda de energia de autoconsumo pode ser feita quando há um excedente de produção. Isto não só é possível com a produção de autoconsumo, como também podemos utilizar este excedente para:

  • Carregar as baterias do nosso sistema fotovoltaico, o que é chamado autoconsumo com armazenamento.
  • A programação do sistema para produzir exatamente a energia necessária para o nosso consumo, o que se chama autoconsumo com injeção na rede.
  • E o armazenamento obrigatório de energia em baterias, o que se chama autoconsumo nas instalações de energia solar.

 

Tipos de instalações de autoconsumo

Então como obter energia de forma eficiente e sustentável com sistemas de autoconsumo fotovoltaicos? Se quiser obter energia de uma forma eficiente e sustentável e ao mesmo tempo poupar dinheiro, a melhor opção é optar pelas energias renováveis, tais como a energia fotovoltaica. Este tipo de energia de autoconsumo caracteriza-se pela conversão da radiação solar em eletricidade por meio de dispositivos conhecidos como painéis solares ou fotovoltaicos. Desta forma, os lares podem ser autossuficientes em energia, de uma forma fácil e limpa.

O autoconsumo é a produção de eletricidade em instalações individuais para consumo doméstico. Pode ser privado, se for para uma única casa, ou autoconsumo coletivo, quando fornece várias casas. O autoconsumo solar e fotovoltaico refere-se à capacidade de uma família ou empresa de utilizar a energia que eles próprios produzem sem depender de fontes externas. A energia mais comum para o autoconsumo, como já mencionamos, é a energia solar, porque é limpa, porque é gratuita e porque os painéis solares são fáceis de instalar nos telhados.

Existem dois tipos de instalações fotovoltaicas de autoconsumo: ligadas à rede e não ligadas à rede. Estes últimos podem funcionar sem apoio da rede, embora por vezes sejam instalados quando a rede existe ou na companhia de um gerador. O tipo mais comum e recomendado de instalação de autoconsumo fotovoltaico, atualmente, é a instalação ligada à rede. Devido ao seu elevado custo, as instalações fora da rede só são utilizadas onde não existe rede, onde a rede é muito deficiente ou se o consumo é muito limitado.

Cálculo de uma instalação de autoconsumo

No que diz respeito ao custo e rentabilidade do autoconsumo solar, em geral, a compra de uma instalação fotovoltaica para autoconsumo requer um desembolso inicial significativo. Por este motivo, é comum recorrer a fontes de financiamento de bancos ou da empresa instaladora. Como se trata de energias renováveis, as possibilidades de instalação são maiores.

Um detalhe a ter em conta é que uma instalação solar é um projeto a longo prazo, visto que a vida útil dos painéis solares é de aproximadamente 20 a 30 anos. Durante este tempo, pode pagar e recuperar o investimento pouco a pouco, gerando a sua própria energia.

O custo de uma instalação de autoconsumo fotovoltaico varia consideravelmente em função do tipo de instalação, do tamanho, do equipamento utilizado e das condições do local de instalação. O preço diminui quanto maior for a instalação, embora também possa haver variações consideráveis dependendo da qualidade do equipamento utilizado e de outros fatores.

Há estimativas que informam que com um sistema de autoconsumo a poupança e a redução nos seus consumos de energia com painéis solares e, por consequência, no custo da conta de eletricidade pode chegar aos 80%. Claro que isso vai depender também de vários fatores, como os seguintes:

  • Localização dos painéis.
  • Estado do tempo.
  • Dimensão da instalação.
  • Existência de baterias para armazenamento da energia excedente.

A rentabilidade da instalação também melhora à medida que a dimensão da instalação ou o consumo diário aumenta. O período de retorno varia de 6 a 10 anos para pequenas empresas ou casas normais. No caso de grandes famílias ou grandes empresas, pode ser de 5 anos. A localização geográfica também tem um impacto importante.

A fim de calcular o período de amortização, é necessário determinar o custo final e os benefícios económicos anuais da utilização da energia solar. Os três elementos fundamentais a ter em conta para o período de amortização são os seguintes: 

  • Custo bruto da instalação.
  • Subsídios e incentivos.
  • Compensação de excedentes.